Publicidade
Noticias

Nacionalistas brancos do mundo todo vão se reunir na Finlândia

A extrema-direita está se globalizando.

por Tess Owen; Traduzido por Marina Schnoor
05 Abril 2019, 4:56pm

Grupos de extrema-direita do mundo todo vêm trabalhando discretamente há anos para amplificar sua mensagem através de forjar alianças internacionais. E eles vão apertar esses laços pessoalmente no final de semana na Finlândia, num evento que ressalta a internacionalização crescente do movimento nacionalista branco.

A segunda conferência “Awakenig”, na cidade costeira de Turku, acontece menos de um mês depois do atentado em duas mesquitas na Nova Zelândia que deixou 50 mortos. O perpetrador do atentado, um australiano, postou um manifesto online no dia anterior ao ataque que revelava intimidade com ideias e símbolos do movimento de extrema-direita moderno.

Especialistas em terrorismo dizem que o atentado nas mesquitas foi mais uma prova de que o extremismo de direita – apesar de sua fixação ideológica com identidade nacional – agora constitui uma ameaça terrorista global crescente.

Por exemplo, o título do manifesto do atirador, “A Grande Substituição”, é uma referência às ideias do autor de extrema-direita Renaud Camus, que tem sido muito influente no movimento “identitário” na Europa e EUA.

“Estamos vendo uma internacionalização crescente de tudo isso”, disse Hans-Jacob Schindler, diretor sênior da organização internacional Counter Extremism Project e ex-coordenador da equipe da ONU monitorando o ISIS, Al-Qaeda e Talibã. “A conferência é um ótimo exemplo disso.”

Os pesos-pesados

Os palestrantes do Awakenig II vêm de vários países, incluindo EUA, Áustria, Finlândia, Ucrânia e Ilhas Feroe. Muitos são supremacistas brancos proeminentes. O evento do ano passado atraiu uma mistura similar de personagens, além de um youtuber escocês da alt-right chamado “Millennial Woes”. As palestras foram transmitidas pela Red Ice TV, um meio de comunicação suíço de extrema-direita que tem mais de 300 mil inscritos no YouTube, além de sua própria plataforma de streaming.

1554401571002-48059230_2314953178534858_742507413487222784_o
Panfleto da conferência Awakening II, compartilhado pela revista de extrema-direita finlandesa Sarastus (Sarastus/Facebook).

Um panfleto do evento deste ano mostra um homem em cima de uma pedra, olhando para o nascer do sol, com a palavra “AWAKENING II” seguida do subtítulo em finlandês “É assim que vamos vencer”. É um acontecimento bem exclusivo; nem todo mundo pode participar. Os ingressos são baratos, mas as pessoas que querem se inscrever são aconselhadas a fornecer o nome e uma referência. “Todas as informações são consideradas confidenciais e serão destruídas quando não forem mais necessárias”, diz o panfleto.

Um dos nomes mais influentes e extremos representados será o National Corps, um grupo ultranacionalista de direita com mais de 10 mil membros. Olena Semenyaka, secretária internacional do ramo político do grupo, está listada como uma palestrante da conferência – e ela não faz segredo de sua visão para o futuro do movimento.

“Pensamos globalmente”, Semenyaka disse à rádio Free Europe em dezembro. “É possível para os líderes de extrema-direita ascenderem ao poder agora e – esperamos – formarem uma coalizão.” Semenyaka disse que ela espera que seu partido lidere esses esforços.

O National Corps, incluindo seu ramo paramilitar, o Azov, aparentemente já forjou laços com alguns grupos de extrema-direita dos EUA. Promotores americanos dizem que membros do Rise Above Movement (RAM), um clube da luta supremacista branco ligado a casos de violência em Berkeley, Califórnia, e Charlottesville, Virgínia, se encontraram com Semenyaka e participaram de eventos de MMA na Ucrânia em 2018.

Documentos federais dizem que o Azov “pode ter participado de treinamento e radicalização de organizações supremacistas brancas nos EUA”.

O Azov já estava abordando grupos extremistas americanos em 2016, segundo o Bellingcat, uma empresa de mídia de fonte aberta. Naquele ano, o Azov convidou Andrew Oneschuk, um adolescente que se juntou ao grupo neonazista violento Atomwaffen, para falar em seu podcast sobre por que homens jovens como ele estavam se juntando a grupos nacionalistas brancos. (Oneschuk e seu colega de apartamento, que também estava no movimento, foram assassinados por outro membro em Tampa, Flórida, em 2017.)

A lista de palestrantes inclui nacionalistas brancos norte-americanos que se consideram mainstream, como Kevin MacDonald. O professor de psicologia aposentado, que deu aula na California State Long Beach até 2014, é uma figura importante nos círculos da extrema-direita americana. Ele é mais conhecido por promover suas teorias antissemitas disfarçadas de pesquisas pseudo-acadêmicas. Por exemplo, ele argumenta que antissemitismo é uma resposta lógica à migração de judeus para os EUA e Europa.

MacDonald é descrito como o “acadêmico favorito” da extrema-direita americana pelo Southern Poverty Law Center. Ele é um colaborador regular do Occidental Quarterly, uma revista online popular de nacionalismo branco que afirma que sua missão é defender “os interesses culturais, étnicos e raciais dos europeus ocidentais”.

Movimento global

“A mensagem dessa conferência é que os nacionalistas brancos agora são internacionalistas, e que eles desenvolveram um movimento que é internacional”, diz Leonard Zesking, presidente do Institute for Research & Education of Human Rights, que tem pesquisado e escrito extensivamente sobre movimentos de extrema-direita. “Essas pessoas estão trabalhando pesado para construir relacionamentos com o Canadá, Austrália e o norte da Europa. E estão conseguindo.”

Outro membro influente da extrema-direita americana, Jared Taylor, deveria falar na conferência também, mas chegando lá descobriu que seus discursos anteriores aparentemente fizeram ele ser banido de grande parte da União Europeia.

Quando Taylor, fundador da American Renaissance, uma revista online supremacista branca, chegou em Zurique no começo da semana para a conferência, as autoridades disseram que ele estava proibido de viajar dentro da Zona Schengen, de 26 países, até 2021, a pedido do governo polonês. Taylor, pelo telefone, especulou que a proibição veio das palestras que ele deu para grupos nacionalistas em Varsóvia ano passado. Essas palestras, que eram anti-imigrantes por natureza, chamaram a atenção das autoridades, que consideraram que ele estava incitando o ódio na Polônia.

“Se o seu ponto é que essas pessoas malignas estão se juntando, esses supremacistas brancos de além da fronteira”, diz Taylor. “O fato é que compartilhamos os mesmos desafios.”

Taylor, que palestrou na primeira conferência Awakening ano passado, disse que cerca de 200 pessoas participaram em 2018. Não está claro quantos participantes estarão na Finlândia no final de semana.

MacDonald e Taylor, que fala francês e japonês, estudou em Yale e tem uma casa grande numa parte rica da Virgínia, há tempos representam uma veia do nacionalismo branco que atualmente está crescendo entre homens jovens brancos na Europa e EUA sob a bandeira do “identitarianismo”.

“A ideia é fugir da imagem do neonazi com um taco de basebol.”

“A ideia é fugir da imagem do neonazi com um taco de basebol, apesar de muitos neonazistas serem parte do movimento agora”, diz Schindler. “A propaganda é muito bem feita.”

Outro palestrante é Martin Lichtmesz, editor, escritor e tradutor austríaco de propaganda de extrema-direita, que publicou um blogueiro e autor norueguês citado no manifesto de Anders Breivik, que matou 77 pessoas na Noruega em 2011.

Também parte da escalação é Fródi Midjord, um nacionalista branco das Ilhas Feroe instrumental para trazer elementos internacionais para o movimento de extrema-direita. Dezembro passado, ele falou numa conferência em Kiev, Ucrânia, realizada pelo Azov, e ele é o organizador de uma conferência anual da alt-right em Estocolmo chamada Scandza Forum.

Ano passado em Estocolmo, Midjord disse que “normalizar o nacionalismo” era o objetivo da conferência. “E com isso não quero dizer que precisamos nos esforçar para ser aceitos pelo mainstream atual”, disse Midjord. “E sim que devemos substituir o mainstream atual.”

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tagged:
neo-nazis
ΦΙΝΛΑΝΔΙΑ
Alt-Right
extrema-direita
supremacistas brancos
nacionalistas brancos
Awakenig