Saúde

Por que você está sonhando tanto durante a quarentena

Sidarta Ribeiro, o neurocientista brasileiro que há anos se dedica ao tema, explica para a VICE.

por Débora Lopes; ilustrado por Dapenha
13 Abril 2020, 3:23pm

Ilustração: Dapenha

Fugir do ataque de gatos zumbis que querem morder e contaminar as pessoas, presenciar o próprio cachorro se suicidando, estar grávida dentro de um barco em movimento, ver um amigo morto voltar à vida. Tem muita gente acordando de sonhos intranquilos durante o distanciamento social provocado pela epidemia do novo coronavírus no Brasil e no mundo. Quando perguntei a algumas pessoas quais tipos de sonho elas têm tido, recebi relatos malucos – nada que fuja completamente do cenário caótico que nossos sonhos noturnos nos propiciam, você pode pensar, e é verdade. Mas um elemento em comum presente em vários desses depoimentos me chamou a atenção: a vida. Ou melhor, a morte.

"O sonho que mais me marcou nesse isolamento tem a ver com um amigo meu que [na vida real] foi morto por traficantes. Na época, ele tinha 20 anos", me contou Lucas Gomes, 22, estudante de história. "No sonho, ele estava vivo e queria voltar a estudar. Eu tentava ajudá-lo, mas, no final, eu recebia a mensagem de um 'promotor' que dizia que eu não sabia quem meu amigo era, como se ele não merecesse perdão." Perguntei pro Lucas como ele mesmo lia esse sonho. "Com esse rolê todo de pandemia, acredito que isso voltou pra superfície. A morte é um assunto diário agora, então pode ter algo a ver", disse.

Achar um lugar seguro em meio a gatos zumbis que mordiam as pessoas e transmitiam o coronavírus era a missão de Ana Henkel, 32, assistente administrativa, num sonho recente. "Eu, desesperada, tentei assustar o gato, mas ele me atacou e me mordeu. Peguei um travesseiro e sufoquei ele. Depois, lembro de ficar preocupada se ia virar um zumbi", relembrou.

Essa nova rotina a qual estamos forçosamente submetidos, de ficar o tempo todo dentro de casa, ter um milhão de paranoias, achar que podemos nos contaminar ou perder pessoas que amamos, enfim, tem relação com nossos sonhos? "Totalmente", foi a primeira palavra que ouvi de Sidarta Ribeiro, neurocientista e maior autoridade sobre o assunto no Brasil.

1586787985909-sonho02_vice_dapenha
Ilustração: Dapenha

Para os mais céticos, quero abrir aqui um parágrafo importante. Neste texto não há absolutamente nada de charlatanismo místico e fantasioso típico de sites mequetrefes que ostentam projeções simplórias como "sonhar com cobra significa traição". Se você nunca ouviu falar do Sidarta Ribeiro, adianto que ele é um baita cientista com pós-doutorado na Duke University, que se debruçou sobre muitos livros, pesquisas científicas e laboratórios. Atualmente, ele é vice-diretor do Instituto do Cérebro da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), diretor da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) e integra também a coordenação científica da Plataforma Brasileira de Política de Drogas. Em 2019, ele lançou o livro "O Oráculo da Noite" pela Companhia das Letras, contextualizando a importância dos sonhos desde as civilizações mais antigas. O Brasil (de Bolsonaro) anda tão pernicioso quando o assunto é ciência – visto que qualquer tiozão do Zap parece ter mais autoridade pra falar sobre qualquer coisa com propriedade do que um estudioso no assunto – que achei melhor enfatizar a importância. Seguimos.

Nos últimos dias, passei a ter a impressão de que estamos sonhando mais e falando mais sobre o assunto durante a quarentena. Até então, era apenas uma suposição jornalística. Mas Sidarta me deu duas possibilidades: "As pessoas têm mais tempo pra ficar em casa, portanto, têm mais tempo pra dormir e pra sonhar. A segunda, e talvez mais relevante, é porque tá todo mundo com medo de morrer".

"Esse medo da morte está tomando proporções épicas. Então, isso tá levando as pessoas para experiências oníricas negativas, aversivas, de pesadelos, mas também de salvação." – Sidarta Ribeiro

Bingo. Sinto que estou mais perto do ponto em comum nos relatos dos entrevistados: a vida. Ou, talvez, a morte. Sidarta, então, me explicou que os sonhos são um mecanismo antigo, evoluído há mais de 200 milhões de anos entre os mamíferos pra simular futuros possíveis com base no passado. O problema dos mamíferos antes de nós era, basicamente, sobreviver e procriar. A preocupação diária deles era não morrer e caçar para comer. "Esse medo da morte está tomando proporções épicas, até porque a Covid-19 é um fenômeno épico. Então, isso tá levando as pessoas para experiências oníricas negativas, aversivas, de pesadelos, mas também de salvação", disse. Ou seja: é como se estivéssemos voltando ao passado, ao nosso modus operandi animal. Estamos lutando para sobreviver acordados e também quando dormimos.

A palavra "salvação" me conecta ao depoimento dos dois entrevistados: Lucas tentava salvar um amigo que volta à vida e Ana tentava salvar a si mesma com medo de virar um zumbi. "Estamos operando em níveis altos de adrenalina, noradrenalina, cortisol. Está todo mundo estressado. O mundo natural é estressante", pontuou o neurocientista.

Enquanto buscava relatos para escrever esta matéria, uma amiga veio me contar um sonho que teve durante a quarentena: "Sonhei que tentava pegar meu pai de santo durante o atendimento". Questionei se, na vida real, rolava uma atração por ele. "Não! Ele é um senhorzinho", ela respondeu.

1586788044305-sonho03_vice_dapenha
Ilustração: Dapenha

Carolina Carvalho, 22, fotógrafa e escritora, disse que tem vivido um loop: se não está sonhando com coisas totalmente aleatórias e estranhas, acaba sonhando com sexo: "Desde que começou esse período de quarentena eu tenho tido sonhos eróticos com bastante frequência, tipo, quase todos os dias da semana". Antes do isolamento ela já costumava ter esse tipo de sonho. "Mas não com essa frequência", frisou.

Sidarta me respondeu que os sonhos, no geral, refletem desejos e temores. "Isso vai lá no Freud. Os sonhos têm sentido e esses sentidos têm a ver com desejos e anti-desejos. Quando a gente tá diante da morte, qual é o antídoto pra morte? É a vida. Então, é totalmente natural que, quando estamos diante de uma coisa angustiante – que é a morte –, de alguma maneira, que o corpo e o cérebro busquem prazer, alguma coisa que afirme a vida."

Mas por que sonhamos? Se tantas vezes sonhar é trabalhoso, fazendo a gente acordar exausto, sem a sensação do descanso merecido. Existe algum benefício em sonhar? O especialista menciona que a psicanálise afirma há mais de cem anos que sim, que sonhar faz bem. "Mas a neurociência ou a psicologia, a ciência, de forma geral, só começou a encontrar traços dessas vantagens há uns 10 anos", falou.

Ele indica o trabalho do psiquiatra e professor da Escola de Medicina de Harvard Robert Stickgold, que apresenta um estudo em que pessoas jogam um game de labirinto e, quando sonham com o jogo, demonstram uma taxa de desenvoltura 10 vezes melhor do que aquelas que não sonham com o mesmo conteúdo. Fiquei curiosa e assisti um TED bem antigo de Stickgold, onde ele fala sobre o tal estudo. "Imaginar futuros possíveis é algo que o cérebro faz quando você sonha", disse o médico durante a palestra. Isso nos dá a brecha de pensar que, quando sonhamos com algo que está ruim ou difícil na nossa vida, pode ser que, no dia seguinte, temos chances de lidar de uma maneira melhor com aquilo.

Ainda vai levar um bom tempo pra todo mundo assimilar o que tem rolado com a chegada do coronavírus. Estamos vivenciando algo histórico e doloroso – o que não deixa de ser um prato cheio para a ciência. Logo no começo da pandemia em terras brasileiras a psiquiatra e neurocientista Natália Mota, pós-doutoranda e pesquisadora do Instituto do Cérebro da UFRN, começou a coletar dados de maneira remota para medir como o conteúdo dos sonhos de voluntários saudáveis pode estar relacionado a sofrimento mental. "A intenção é entender como a gente pode usar essas evidências pra lidar com isso em situações futuras", me contou por telefone. "Uma das hipóteses que estou investigando é que, durante essa pandemia, teremos um aumento da proporção de conteúdo negativo. Outra hipótese é se esses relatos vão ter uma similaridade semântica maior com a palavra medo, com a palavra doença, vírus", falou.

Por ora, nem mesmo a ciência pode responder assertivamente o que nossos sonhos querem nos dizer. Sidarta, meu oráculo para sanar as angústias sobre sonhos alheios nos últimos dias, reforçou algo importante que, de certa maneira, me trouxe certo conforto ao pensar que, é, tá foda mesmo e não temos como fugir da realidade. "Quantas e quantas pessoas não viveram guerras, epidemias, saques, tragédias naturais? A história da humanidade, da espécie, dos mamíferos é essa", concluiu.

@DeboraLopes

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.