Drogas

Todos os tipos de pessoas que devias levar contigo a um festival

O fotógrafo, o falinhas mansas, o rapazinho sempre cansado, mas com carro - estes, meus amigos, têm de fazer parte da tua "#equipafestival".
Madalena Maltez
Traduzido por Madalena Maltez
5.7.18
Photo: Jake Lewis

Este artigo foi originalmente publicado na VICE UK.

Olha bem para ti: és um destes três tipos de pessoas que vão a festivais, de acordo com a tua idade:

14-19: É o teu primeiro festival de sempre, és verdinho e estás sinceramente entusiasmado, oh! as bandas que vais ver, oh! as vistas, vais guardar a pulseira para sempre, oh! Se calhar vais ter relações com um estranho no calor de uma tenda! Oh! Se calhar vais cair na lama e aparecer nas notícias. Talvez! Vás! Conhecer! o Zane! Lowe!

19-29: Já lá foste e já fizeste, sabes exactamente em que roulottes de comida é que vale a pena esperar na fila e aquelas que não, as únicas coisas que trouxeste foram três grades de cerveja, algum ecstasy e uma muda de roupa interior.

29+: És um daqueles estranhos gajos mais velhos, os que antes te assustavam nos festivais quando eras mais novo - "Espero nunca ter um rabo de cavalo a agarrar o meu cabelo branco e comprido e guiar até Glastonbury numa caravana que comprei especialmente com esse propósito", costumavas pensar - mas aqui estás tu, com um casaco de capuz que não te fica bem, a fumar uma erva médio-cara e a recordar bandas que já se separaram há muito.

Portanto, estas são as opções. Vais a um festival e vais enquanto uma dessas pessoas acima. É crucial que reconheças que não consegues fazer isto sozinho e que precisas de uma "equipa". Um festival bem feito não é apenas tu, ketamina e purpurina, esparramado numa cadeira de praia a tentar ter uma opinião importante sobre os Muse. É, sim, sobre juntar um grupo - cada um com o seu papel único e vital - e irem juntos, enquanto grupo. Pensa no Leeds Festival 2K18 [Nota do editor: pensa no MEO Sudoeste se quiseres, porque já aí vêm os comentadores iluminados e indignados do costume, garantir que isto foi escrito por um inglês e a VICE Portugal limitou-se a traduzir e blábláblá. Basicamente aquilo que dizemos mesmo antes de o texto começar, mas que eles obviamente não leram. E btw não é bem só traduzir, mas who cares] como o Bellagio e o Mirage e o MGM Grand em noite de boxe e pensa em ti e nos teus amigos como o George Clooney e todos os outros… e pensa nesta analogia mal amanhada do Oceans Eleven como se tivesse funcionado. Pensa em tudo isto assim.

Estas são todas as pessoas que tens mesmo de levar contigo a um festival:

ALGUÉM MUITO CHATO E ORGANIZADO E QUE LEVA SEMPRE NA MALA BARRAS ENERGÉTICAS A MAIS

Ninguém queria verdadeiramente convidar esta pessoa - que não só lê o programa todo do festival, como participa naquelas actividades extra programadas no recinto e fica verdadeiramente entusiasmada com aquela cena da "silent disco" -, mas, para ser sincero, nenhum de vocês ia sequer chegar à entrada do sítio sem ela, por isso conquistou o direito de vir com o grupo e organizar tudo ao longo do fim-de-semana.

Pensa bem: queres mesmo ser tu - TU - a estar às nove da manhã no dia de arranque da venda de bilhetes à frente do computador, de cartão de crédito na mão para comprar as entradas no primeiro minuto? Queres mesmo ser tu - TU - a ter a responsabilidade de encontrar um comboio para a localidade mais próxima, e depois um autocarro tipo shuttle? Lembraste-te de trazer protector solar, ou estavas a contar que alguém trouxesse? Exacto. Come uma das barritas energéticas que essa pessoa trouxe, senta-te a descansar na sua tenda limpa e imaculada, tenta não vomitar depois de beber muita cidra ao pequeno-almoço. Shh. Shh. A mãe está aqui. A mãe do festival está aqui.

GAJO QUE TEM CORAGEM DE LEVAR UMA GRANDE QUANTIDADE DE DROGAS PARA DENTRO DO RECINTO

Foto: Michael Segalov

Queres drogas, não é? Estás num festival e queres drogas. Tiraste cinco dias de férias para estar aqui. Estás no meio de um campo com pouca rede 4G e uma bateria de telemóvel a descer a pique. Estás o mais longe da civilização a que te atreves a estar. Queres estar mocado para isto.

Infelizmente, és demasiado menino para passares a segurança da porta do festival com drogas nos bolsos - o segurança voluntário de colete reflector e luvas descartáveis, a passar o dedo devagar pelas tua coisas, assusta-te; imaginas cães alsacianos a debaterem-se com as correntes enquanto ladram a tentar chegar a ti: "Eh lá!" diz um segurança, enquanto o Kendrick Lamar pára de tocar para apontar todos os focos do palco na tua direcção, "EH LÁ! ESTE PUTO TEM UMA QUANTIDADE MUITO PEQUENA DE ERVA COM ELE" e batem-te com cassetetes até chorares, e admitires tudo, e a policia vem de helicóptero prender-te, e por algum motivo parou antes para ir buscar a tua mãe, que está no helicóptero a abanar a cabeça, desiludida, por aquilo em que te tornaste - ou seja, precisas de um gajo com confiança à prova de bala, que não se importe de enfiar um par de gramas no rabo (ou, sinceramente, basta nos ténis ou assim) para tu poderes estar em altas todo o fim-de-semana. Mete o gajo na lista.

AQUELA PESSOA QUE AINDA TEM MESMO ENERGIA ÀS QUATRO DA MANHÃ

Foto: Chris Bethell

A pior parte de um festival não é sobreviver à base de pacotes de batatas fritas durante três dias, nem o sentimento gorduroso e desconfortável de sujidade, nem nada desse tipo. Não: infelizmente, é quando a fadiga dos teus amigos atinge o pico apenas três horas depois de ter começado a grande noite de copos.

"Só como NikNaks desde quinta-feira!", dizem os fracos e patéticos cobardes. "Nem para fazer uma diarreia tenho energia!". E das cinzas da tua noite potencialmente estragada, aparece um campeão: quatro da manhã e está de óculos de sol, sem falar com muita coerência, mas até a conseguir fazer algum sentido e é o catalisador da tua noite - capaz de cheirar um after numa tenda, de encontrar uma discoteca fora de horas que não está no programa, é atraído como uma mosca para multidões de gente mocada a dançar em silencio à volta de um círculo de pedra.

Vêem o pôr-do-sol juntos e apercebem-se que tiveram a melhor noite das vossas vidas. Depois piras-te para ir dormir umas cinco horas de sono irregular antes de te levantares para ir comer a sandes da ressaca e um chá, quando encontras este herói energético, ainda mocado e ainda com as roupas da noite anterior vestidas, e ele te olha nos olhos sem se conseguir lembrar muito nitidamente quem é que tu és. Deixa-o aí, nesse campo. Ele há-de encontrar o caminho para casa.

ALGUÉM QUE NÃO SE IMPORTE DE ESPERAR NAS FILAS PELO BEM MAIOR DO GRUPO

Eu trato os festivais um bocado como imagino que o Drake trate a vida; estou lá, como figura central de tudo o que é divertido, exclusivamente para Me Divertir. Toda a gente à minha volta funciona como a minha "equipa de hype", tratando mais de tarefas administrativas para que eu me possa focar e apanhar uma boa bebedeira de cerveja às três da tarde.

Tal como o Drake tem fotógrafos e assistentes para lhe marcar mesa no Nobu, o que estou a tentar dizer é que alguém me devia montar a tenda e alguém devia garantir que tenho comida. Alguém precisa de me dizer quando é que os bons músicos vão tocar e levar-me lá em conformidade. No centro, como a gema de um ovo cozido, estou eu: bem-disposto e sorridente, com a mente a colapsar um pouco, frouxo como um cão adormecido, alegria para além do que é compreensível. O que estou a dizer é: não vou para uma fila do caraças durante 20 minutos e tentar voltar para onde os restantes de nós estão com quatro imperiais nas mãos. Outro gajo pode fazer isso. Convidem-no.

UM CONDUTOR

Sim, é possível ir a festivais de transportes públicos, mas também é uma merda e não vou ouvir mais nenhum comentário a favor. A caminho, no comboio, estão, basicamente, vários gajos de camisas havaianas a beber latas de cerveja. No regresso, está toda a gente coberta de lama [Nota do editor: ou pó, que isto por cá não é Inglaterra] e vocês estão todos encafuados na mesma carruagem, a tentar desesperadamente escapar ao vosso próprio hedonismo, a chocar uns contra os outros com as vossas mochilas gigantes. Não.

Para que seja um tempo bem passado, o que precisas é de alguém com carta de condução, um carro com um porta-bagagens de tamanho decente, alguém que não se importe de se meter no carro a meio do terceiro dia para ir ao supermercado e alguém que consiga manter a calma enquanto manobra no meio de um chão de lama [Nota do editor: e pó que já foi relva verdinha] e trânsito durante a pior parte da ressaca. "Eu contribuo para a gasolina, mano", mentes-lhe. "Juro. Manda-me o teu NIB. Vamos todos contribuir, não é?" Não. Vá lá.

ALGUÉM QUE TIRE FOTOGRAFIAS INCESSANTEMENTE

Foto: Chris Bethell

As únicas boas fotografias que te tiram são: 1. desprevenidas, quando estás furioso; 2. aquela fotografia de ti num vestido ou num fato, num casamento de Verão de um amigo, antes de te colares ao bar de vinhos.

Todas as outras fotografias são horríveis. Por isso, mais vale levares aquele teu amigo que leva uma câmara para onde quer que vá, para documentar cada momento de diversão, porque, sê sincero, é a unica maneira de acabares este ano com fotografias recentes para o teu perfil do Tinder, não é? É. Os swipes são cada vez menos, não são? São.

UM RAPAZ ALTO E FORTE QUE TE CONSIGA AGUENTAR ÀS CAVALITAS

Foto: Chris Bethell

Seria de pensar que levar um homem forte e alto como parte do teu gang de festival só significaria benefícios para aquelas miúdas que se querem sentar um bocadinho mais acima da multidão, mas que ficam chateadas quando alguém lhes atira copos vazios à cabeça, mas na verdade, ter um homem forte e alto no teu inventário é util, porque há sempre um lado obscuro nos festivais - sim, sim: em parte é por causa das pessoas de coroas de flores na cabeça a dizerem-te que o ecstasy é importante, mas também há uma certa onda de Velho Oeste, sem lei, na forma como as coisas funcionam e, às vezes, parece mesmo que o sítio inteiro vai pegar fogo - e se e quando a coisa der para o torto, tu vais querer esconder-te atrás de um homem forte e alto enquanto ele luta com pessoas mais fortes que tu.

(P.S. ele é, muitas vezes, o novo namorado da tua ex, por isso prepara-te para isso. Vais querer odiá-lo, mas depois de uma conversa às três da manhã sob o efeito de MD vais, relutantemente, admitir que não só ele é um gajo porreiro, como tu foste um cretino para ela, não foste?; vá lá, examina o teu comportamento.)

QUALQUER PESSOA QUE NÃO TE FAÇA ESPERAR CINCO HORAS ENQUANTO SE ARRANJA NUM AIRBNB FORA DO RECINTO

Foto: Chris Bethell

A não ser que vás, literalmente, tocar no palco principal, devias chegar a um festival directamente da tenda, quer seja uma barraca manhosa para duas pessoas que deixas no recinto quando te vens embora, ou uma mansão para 16 pessoas que cabe a alguém que não tu desmontar no fim do festival. Qualquer pessoa que planeie um look de festival - qualquer coisa que envolva alisadores, por exemplo, ou pinturas elaboradas na cara, ou uma sessão de fotografias ao pôr-do-sol - tem de estar bem longe da tua estética festivaleira tipo "esta-t-shirt-está-limpa-o-suficiente-siga-beber".

ALGUÉM QUE CONSIGA FALAR DOCEMENTE COM OS SEGURANÇAS

A minha única e mais feliz memória com segurança de festivais é a de quando um gajo com metade dos dentes ameaçou bater-me no Leeds uma vez, por ser "atrevido", por isso se calhar não sou o melhor candidato para esta categoria, mas: é sempre útil ter alguém encantador que consiga meter alguns de vocês numa zona para pulseiras especiais, num backstage ou algures e todos vocês conhecem alguém encantador o suficiente para isso, se pensarem bem. Só não vais é ser tu, e de certeza que também não vou ser eu.

O ALARVE

A unica coisa que tu não queres ser na Liga de Cromos de Festivais é o número 1. Queres oscilar num espaço silencioso, algures entre estares a divertir-te demasiado (aquela malta que deu tanto em ketamina num só fim-de-semana que o mais provável é ter de usar uma algália para sempre) e divertires-te demasiado pouco (aqueles gajos que literalmente decidem ficar sóbrios na noite de sexta-feira para poderem "apreciar melhor os Kings of Leon").

Queres ser uma equipa de meio da tabela, silenciosamente em modo rave, mas não ao ponto de alguém ter que se preocupar medicamente contigo. É aqui que convidar o Alarve dá jeito: quando tu dás cabo de uma grama, ele já deu cabo de duas; por cada lata de cerveja que apanhas do chão por entre as tendas a caminho do palco principal, ele já vai em quatro. Precisas de alguém que vá sempre, constantemente, demasiado longe, só para funcionar como um isolador de som para a tua bebedeira. Uma vez num festival, uma rapariga que conhecia conseguiu partir a perna,e isso funcionou para disfarçar a quantidade de whisky que eu tinha bebido nesse dia. Convida um Alarve e deixa o pai dele ir buscá-lo no domingo. Os alarves são cruciais para a tua saúde.

PESSOA QUE VAI E SE DIVERTE MUITO E, SIM, TEM QUE FAZER FILA DURANTE UMA HORA E MEIA PARA O ÚNICO MULTIBANCO NO RECINTO E SACAR 200 EUROS A MAIS DO QUE TINHA PREVISTO GASTAR (“NÃO MÃE, POR FAVOR É QUE… – NÃO, ESTOU MESMO A DIVERTIR-ME, É SÓ. PODES SÓ TRANSFERIR-ME DINHEIRO SE FAZ FAVOR, MÃE, DEPOIS FAZEMOS CONTAS QUANDO EU NÃO ESTIVER NO MEIO DO NADA!”) E SIM, EXCITA-SE NA NOITE DE SEXTA E NO SÁBADO DE MANHÃ ACORDA NA MERDA E TODA A GENTE TEM QUE A AJUDAR E TRAZER COCA-COLA E USAR O ULTIMO BBQ DESCARTÁVEL PARA LHE COZINHAR DUAS SALSICHAS PARA PÔR NA ULTIMA FATIA DE PÃO; E SIM ESTÁ A TENTAR, INEXPLICAVELMENTE, NÃO SÓ CANTAR COMO CANTAR RAP? PARA ACOMPANHAR A MUSICA DO PALCO PRINCIPAL? A ESTRAGAR O CONCERTO A TODA A GENTE NUM RAIO DE 2 METROS? E SIM, DE ALGUMA FORMA CONSEGUIU SER ENGANADA E PAGAR 20 EUROS POR UMA PASTILHA E AINDA TEM QUE LEVAR NA CABEÇA DE TODA A GENTE À 1 DA MANHÃ E, SIM, SIM: DURANTE OS 5 DIAS A SUA PRESENÇA FOI PREJUDICIAL PARA O GRUPO, E AS SUAS INFINDÁVEIS HISTÓRIAS NO INSTAGRAM FEZ COM QUE PERDESSE TODOS OS SEUS 100 SEGUIDORES, E QUANDO VOLTAR TODOS OS SEUS AMIGOS VÃO ESTAR CHATEADOS, PORQUE SÓ SABE FALAR DO FESTIVAL E O QUANTO SE DIVERTIU NO FESTIVAL E COMO NO PRÓXIMO ANO ELES TAMBÉM DEVIAM IR, DEVÍAMOS IR TODOS, É TÃO DIVERTIDO, O FESTIVAL, MAS NO FUNDO TERIA SIDO MELHOR PARA A CONTA BANCÁRIA E PARA TODAS AS SUAS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NÃO TER IDO AO FESTIVAL, MAS FOI, E PELOS VISTOS DIVERTIU-SE, QUE BOM PARA TI.

Ahah! Tu!


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.