Estaríamos mais perto de uma possível guerra nuclear entre Coreia do Norte e EUA?
Noticias

Estaríamos mais perto de uma possível guerra nuclear entre Coreia do Norte e EUA?

Aviões de bombardeio norte-americanos sobrevoaram o sistema de defesa de misseis na Coreia do Sul, numa ação tida como “imprudente” pela Coreia do Norte.
2.5.17

Esta matéria foi originalmente publicada na VICE News .

Os EUA mexeu num controverso sistema de defesa de mísseis na Coreia do Sul nesta terça (2), horas depois de sobrevoar a região com dois aviões de bombardeio — uma ação descrita pela Coreia do Norte como "imprudente" e levando a área "mais perto de uma guerra nuclear".

A base de Pyongyang registrou incidente — dois bombardeiros supersônicos B-1B Lancer decolando de Guam para participar de exercícios com as forças aéreas sul-coreana e japonesa — como parte de "exercícios de bombardeio nuclear", numa época em que Donald Trump e "outros belicistas norte-americanos estão pedindo um ataque nuclear preventivo" na região.

Publicidade

"A provocação militar imprudente está levando a situação na Península Coreana um passo mais perto da guerra nuclear", informou a agência estatal de notícias KCNA.

O governo sul-coreano disse que o propósito da missão foi deter provocações do Norte e testar sua prontidão contra outros testes nucleares em potencial.

Ao elevar ainda mais as tensões na região, o exército norte-americano anunciou que o sistema Terminal High-Altitude Area Defense (THAAD) está "operando e tem a capacidade de interceptar mísseis norte-coreanos" — algo que só era esperado para o final de 2017. A notícia chega menos de uma semana depois que os EUA começaram a instalar o sistema num antigo campo de golfe na cidade de Seongju, sudeste do país.

Leia também: "E se a Coreia do Norte fizesse um ataque nuclear nos EUA?"

O THAAD foi criado para destruir mísseis balísticos de curto e médio alcance durante sua fase final de voo, mas só "atingiu sua capacidade de interceptação inicial", segundo um oficial norte-americano, já que o sistema deve receber um upgrade ainda este ano com hardware adicional.

Horas depois que sistema entrou em operação, o Ministério de Relações Internacionais chinês pediu aos EUA que interrompa sua implantação: "A posição da China é clara e firme", disse o porta-voz do Ministério, Geng Shuang, a repórteres numa entrevista coletiva. "Somos contra a implantação do sistema THAAD e pedimos aos lados relevantes para parar imediatamente sua instalação. Vamos tomar as medidas necessárias para proteger nossos interesses."

Publicidade

Parte dessas "medidas necessárias" pode incluir ataques cibernéticos. Na última segunda (1ª), a empresa de segurança cibernética FireEye relatou que hackers apoiados pela China tentaram comprometer a segurança de um dos grupos envolvidos na instalação do sistema de mísseis de $1 bilhão.

O ataque provavelmente foi uma missão para juntar informações, já que a China se opôs à instalação do THAAD na Coreia do Sul, dizendo que o radar poderia ser modificado para permitir que o exército norte-americano espiasse as operações militares chinesas.

A Coreia do Sul confirmou ataques cibernéticos aos seus sistemas mês passado, vindos da China, mas não disse se os ataques visavam o THAAD especificamente. A China negou a acusação, dizendo que é contra ataques cibernéticos. "Essa posição é consistente, clara e séria", disse o Ministério de Relações Internacionais chinês numa declaração.

Além da oposição da China, o sistema THAAD também foi criticado por centenas de moradores descontentes de Seongju, que protestaram semana passada quando os primeiros componentes do sistema chegaram ao local. Os locais acreditam que o THAAD os coloca sob risco de ataque.

A instalação controversa também deve influenciar o resultado das eleições presidenciais da próxima semana, com Moon Jae-in, o candidato liberal moderado, sugerindo que pode renegociar os termos da implementação do sistema.

Semana passada, Trump pareceu estar pensando a mesma coisa, quando disse que a Coreia do Sul deveria pagar cerca de $1 bilhão pelo sistema antimíssil. No entanto, no domingo, o chefe de segurança nacional da Casa Branca, Lt. Gen. H.R. McMaster, voltou atrás na declaração, dizendo numa ligação telefônica aos colegas sul-coreanos que os EUA vão pagar pelo sistema.

Enquanto as ameaças continuam sendo feitas pelos dois lados, Trump parece ter suavizado sua posição sobre o líder norte-coreano Kim Jong Un. Semana passada ele disse que simpatizava com o fato de Kim ter que comandar seu país sendo tão jovem, o que é "uma coisa muito difícil de fazer". No final de semana, numa entrevista para a CBS, ele chamou Kim de "esperto" e na segunda, numa entrevista para a Bloomberg News, Trump disse que ficaria "honrado" em encontrar o ditador norte-coreano "nas circunstâncias certas".

Tradução: Marina Schnoor

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter e Instagram.