Entretenimento

Por que levei cinco anos para perceber que estava numa seita

Uma sobrevivente de seita detalha a anatomia da doutrinação.
16.8.18
Fotos via Renee Linnell/Facebook.

A escritora Renee Linnell era uma surfista e modelo procurando mudar de vida quando encontrou a Universidade do Misticismo, uma seita que a encorajou a queimar todas as suas posses terrenas e cortar ligação com amigos e a família – no final custando a ela US$500 mil [em torno de R$ 1,9 milhão na cotação atual], além de anos de terapia. Nes t e trecho de seu novo livro de memórias, The Burn Zone (outubro de 2018; She Writes Press) , Linnell reflete por que leva anos para uma pessoa sob a influência de um líder carismático perceber que está numa seita.

Publicidade

Acontece lentamente. É algo muito insidioso. Primeiro parece com ganhar na loteria: Você acha que finalmente encontrou alguém que te entende, alguém que parece saber o que você está procurando. Ela vê a verdadeira você, uma você maior, a você escondida, que mais ninguém pode ver, a você que está destinada à grandeza. Você se senta na frente dessa pessoa, e sente muita Luz; você sente Deus.

Ela te banha em amor e atenção, ela vai crescendo para você. De repente, você está fazendo coisas que nunca achou que faria. Você está crescendo e se expandindo. Você conhece pessoas que pensam como você. Você tem um propósito, um guia. Finalmente, pela primeira vez, você sente que pertence a alguma coisa.

Você se enche de uma nova energia. A vida ganha uma qualidade mágica. Todo dia é uma nova aventura. Você quer contar para todo mundo sobre sua nova Professora, sobre seus novos amigos. Mas as pessoas reagem de maneira estranha, não do jeito que você imaginou que elas reagiriam. Elas reagem com medo, dúvida e preocupação.

Elas não entendem, você diz a si mesma. Elas não têm a sabedoria, você diz dentro da sua mente. Elas estão dormindo, você sussurra para si mesma.

Você continua seu caso amoroso com esse novo grupo, com essa nova Professora. Você passa mais e mais tempo seguindo seus ensinamentos, mais e mais tempo com outros membros do grupo. Sua vida muda de maneiras fantásticas e logo você se vê não querendo mais estar com os antigos amigos que não entendem a nova você. Você se sente mais confortável com outros membros do grupo. Você se sente melhor quando está com sua Professora, a única pessoa que realmente te entende.


Como operam as seitas


Sua vida vai lentamente se enchendo dessas novas atividades. Pode ser uma longa prática de meditação toda manhã, novas tarefas, livros para ler, filmes para assistir. Você se vê fazendo “viagens de campo” com o grupo, encontros com sua Professora. Você para de retornar ligações dos seus antigos amigos. Sua família começa a te irritar; eles fazem muitas perguntas e parecem céticos demais. Sua Professora diz que seus amigos e sua família não querem que você mude. Eles querem que você continue pequena; talvez seja melhor se distanciar para que eles não te impeçam de avançar. Você concorda. Sua família sempre te viu de um jeito; eles não conhecem a nova você. Seus antigos amigos parecem irritados porque você está diferente. É mais fácil simplesmente evitá-los. Você muda seu número de telefone e seu e-mail, assim seus antigos amigos não podem mais te encontrar. Lentamente, tudo que te fazia ser quem você é vai sendo despido da sua vida. Na sua tentativa empolgada de crescer e experimentar novas coisas, você permite que todos os seus antigos amigos e atividades favoritas desapareçam. Quando você se dá conta, o grupo é sua vida. Ninguém de fora entende.

Aí, a Professora começa a te mostrar seu ego, as maneiras como você precisa mudar. Lentamente, ela vai apontando todas as suas falhas.

“Só uma verdadeira Professora seria tão honesta”, a guru diz.

Suas falhas são apontadas uma por uma. A dúvida sobre você mesma começa a se assentar. Depois vem “o oculto” ou alguma força sombria, talvez “o diabo”. Sempre que sua intuição te diz para fugir, para escapar da Professora, para fugir desse grupo, eles te dizem que são forças ocultas tentando te tirar do caminho, ou que é o diabo tentando te derrubar. Você começa a ver todo mundo de fora do grupo como o inimigo. Amigos e família se tornam o inimigo. Você acredita que “eles querem te tirar do caminho”, que “eles não entendem” ou que “eles estão tentando roubar sua energia”.

Nesse ponto, toda a sua fundação já era, seu senso de eu já era, sua intuição já era, sua vida já era. E você se agarra desesperadamente à única coisa que sabe que é verdade: a guru.

Imagem de capa cortesia Her Image Photography.

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.