Noella Cockney’s home is one of four buildings on The Point listed for urgent relocation due to progressing shore erosion.​
A casa de Noella Cockney é uma das quatro construções em The Point listadas para relocação urgente devido ao progresso da erosão da costa. Todas as fotos por Weronika Murray salvo outra indicação. 
Meio Ambiente

A comunidade no Ártico que está literalmente caindo no oceano

Alguns moradores de Tuktoyaktuk, na ponta norte dos Territórios do Noroeste, encaram uma relocação enquanto lutam com o solo derretendo e os níveis do mar subindo.
11.11.19

Em 1994, quando Sandy e Sarah Adam se mudaram para sua casa em The Point, Tuktoyaktuk, na ponta norte dos Territórios do Noroeste, eles tinham um espaçoso quintal e uma praia separando sua casa do oceano.

Agora, o rip-rap (ou enrocamento), o reforço na costa feito de pedras, é a única coisa protegendo a casa deles da força destrutiva das ondas do Mar de Beaufort.

Sandy Adam on The Point, August 2018. He said he doesn’t allow his grandchildren to play on the rip-rap anymore as the boulders have become dangerously unstable.

Sandy Adam em The Point, agosto de 2018. Ele disse que não deixa mais os netos brincarem no rip-rap porque as pedras se tornaram perigosamente instáveis.

Sandy disse que apesar das pedras e geotêxteis acrescentados três anos atrás, o reforço está lentamente desmoronando na água. “Muito, demais” de sua propriedade já foi levada pelas águas, disse Sandy, balançando a cabeça.

Tuktoyaktuk, uma comunidade Inuvialuit de cerca de 950 pessoas, é uma das primeiras comunidades no Canadá a encarar relocação devido aos impactos do aquecimento global. Apesar de várias tentativas de proteger a costa da erosão nas últimas décadas, o oceano continua avançando devido a uma temporada de gelo mais curta, aumento dos níveis do mar e degelo do permafrost.

The Point, an area at the end of Tuktoyaktuk’s scenic Beaufort Drive.

The Point, uma área no final da estrada Beaufort Drive em Tuktoyaktuk.

Map of Tuktoyaktuk by Hunter French.

Mapa de Tuktoyaktuk por Hunter French.

Seis construções já foram removidas da beira do oceano desde 2016, a maioria delas moradias públicas.

A casa dos Adams, além da casa de Noella Cockney no The Point, são duas das quatro casas listadas para relocação urgente para o interior do continente. O povoado de Tuktoyaktuk recebeu $800 mil para mudar as quatro casas para novos lotes em Reindeer Point, a cerca de seis quilômetros de distância.

The ocean-facing side of The Point, August 2019.

O lado encarando o oceano de The Point, agosto de 2019.

Erosion projection map of Tuktoyaktuk to 2100, courtesy of Natural Resources Canada.

Mapa da projeção de erosão em Tuktoyaktuk até 2100, cortesia do Ministério dos Recursos Naturais do Canadá.

Mas a mudança ainda não aconteceu – o processo é complexo porque tudo está acontecendo no permafrost. As construções locais geralmente ficam sobre palafitas ou blocos, então os blocos de cascalho colocados ali por pelo menos um ano (um ciclo completo de degelo e congelamento) precisam ser assentados nos novos lotes para que as casas não afundem no solo.

Além disso, a maior parte da construção acontece no inverno porque o solo é mais estável. Se você perturba o permafrost ou coloca equipamentos pesados nele quando a temperatura está acima do zero, o lugar basicamente vira um pântano.

Publicidade

Agora há discussões sobre novamente tentar reforçar a costa.

Thawing permafrost creates an undercut in the eroding shore while the top layer that freezes and thaws seasonally is temporarily held together by vegetation.

Permafrost derretendo cria fendas na costa erodida enquanto a camada superior que congela e derrete conforme as estações é segurada temporariamente por vegetação.

Geotextile meant to reinforce Tuktoyaktuk Beach, tattered by the waves.

Geotêxteis que deveriam reforçar a costa da Praia Tuktoyaktuk, arrancados pelas ondas.

“Sinceramente, não tenho mais ideia do que vai acontecer. Agora que o inverno chegou ninguém está falado sobre a mudança ou preocupado com isso”, disse Cockney, acrescentando que o gabinete do povoado “ainda não nos avisou do que vai acontecer”.

Exemplos dramáticos e rápidos do progresso da erosão podem ser vistos por toda a costa canadense do Mar de Beaufort.

An aerial view of shore erosion and exposed ground ice at Peninsula Point, about five kilometres west of Tuktoyaktuk. The ground in the area is 90 percent ice.

Vista aérea da erosão da costa e gelo do solo exposto na Península Point, cerca de cinco quilômetros a oeste de Tuktoyaktuk. O solo da área é 90% gelo.

A Ilha Tuktoyaktuk, uma extensão de cerca de um quilômetro de terra em frente ao The Point, age como uma barreira natural protegendo o Porto Tuktoyaktuk. Na taxa atual de erosão, é esperado que a ilha seja arrastada pelo mar dentro dos próximos 20 ou 30 anos, segundo um relatório do W.F. Baird & Associates Coastal Engineers, que o povoado contratou para estudar possíveis soluções.

A temporada de mar aberto cercando Tuktoyaktuk aumentou para 110 dias de 95 dias em 1975, e deve crescer para mais dois meses até 2060, diz o relatório do Baird.

Segundo Dustin Whalen, que trabalha para o Ministério dos Recursos Naturais do Canadá, algumas partes da Ilha Pelly, uma ilha remota cerca de 100 quilômetros a oeste de Tuktoyaktuk, recede de 30 a 40 metros por ano.

An aerial view of the eroding shore of Pelly Island.

Vista aérea da costa erodida da Ilha Pelly.

Pelly Island is one of the fastest eroding islands in the world, with sections of its coast receding up to 40 metres a year.

A Ilha Pelly é uma das ilhas se erodindo mais rápido do mundo, com partes da costa recedendo até 40 metros por ano.

Em Pelly você é cercado de sons de gotejamento e terra caindo na água enquanto o permafrost derrete; dá até pra sentir o cheiro, como um cheiro mais forte de terra molhada. Você precisa prestar atenção onde pisa, porque há fendas profundas na tundra onde blocos inferiores estão começando a se separar da ilha.

A extensão do impacto de longo prazo do degelo do permafrost no ambiente ao redor ainda não é totalmente conhecido. Para os moradores de Tuktoyaktuk que sobrevivem de pesca e caça como parte de seu modo de vida tradicional, a acidificação e seus efeitos na vida marinha, e concentrações elevadas de mercúrio nos peixes e na vida selvagem são tão preocupantes quanto a erosão da costa e inundações.

A boy pulls a fishing net in Tuktoyaktuk’s inner harbour.

Um garoto puxa uma rede de pesca no porto interno de Tuktoyaktuk.

1572643532417-image7

Sarah Adam observa os lotes disponíveis, agosto de 2018. Ela disse que o mais importante é que o novo local seja seguro para os netos brincarem.

Cockney e os Adams já aceitaram que não vão mais morar em The Point, e estão esperando o dia que não terão mais que se preocupar com suas casas sendo destruídas ou engolidas pelo mar.

Weronika Murray é uma fotojornalista que vive em Inuvik, Territórios do Noroeste. Ela começou a documentar o impacto das mudanças climáticas nas comunidades e paisagens do Ártico em 2017. Siga-a no Instagram.

Matéria originalmente publicada pela VICE Canadá.

Pessoas indígenas e não-brancas são afetadas desproporcionalmente pela crise climática global. Mas no movimento verde mainstream e na mídia, elas muitas vezes são esquecidas ou excluídas. Tipping Point é uma nova série da VICE que cobre histórias de justiça ambiental sobre e, quando possível, escritas pelas pessoas das comunidades experimentando a dura realidade de um planeta em mutação.

Tem uma história para o Tipping Point? Mande e-mail para TippingPoint@vice.com

Siga a VICE Brasil no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.