Cultura

Os protestos da Praça de Tiananmen não foram apenas o que todos pensam que foram

No 30º aniversário dos protestos pró-democracia de Pequim, as fotos de Patrick Zachmann mostram o que aconteceu antes da chegada dos tanques.

Por Patrick Zachmann; Como contado a Pierre Longeray
09 Maio 2019, 1:35pm

Uma estudante de teatro interpreta a  performance "A dor do povo chinês”. Todas as fotos cortesia Patrick Zachmann/Magnum

Este artigo foi originalmente publicado na VICE França.

Há quase 30 anos, a 5 de Junho de 1989, um homem enfrentou uma fila de tanques na Praça Tiananmen, em Pequim. Essa imagem icónica - que foi captada no dia seguinte às tropas terem entrado na praça e disparado sobre manifestantes pró-democracia - passou a representar a violenta repressão do governo chinês naquele Verão contra o movimento liderado por estudantes. Mas, por causa da natureza confrontacional da imagem e do que se seguiu, as pessoas tendem a esquecer que, até àquele ponto, as manifestações tinham sido bastante pacíficas. O fotógrafo da Magnum, Patrick Zachmann, estava em Pequim nas semanas que antecederam os actos de repressão por parte do governo. Abaixo, através das suas palavras e fotos, conta o que viu.

*

Cheguei a Pequim no dia 13 de Maio de 1989. Hu Yaobang, o ex-presidente do Partido Comunista Chinês, tinha morrido um mês antes. Yaobang foi altamente considerado como um reformador incorruptível que tentou construir um governo mais aberto. A sua morte desencadeou uma onda de protestos pró-democracia - no entanto, quando cheguei, os protestos tinham começado a diminuir.

Fui à China com o objectivo de fotografar retratos de jovens em Pequim. Não tinha planeado documentar os protestos, na verdade, mas no caminho do aeroporto para o hotel, que ficava mesmo ao lado de Tiananmen, vi um pequeno número de pessoas reunidas na Praça. Caminhei até lá e percebi que os estudantes estavam em greve de fome.

1552486515721-PAR361820
Praça de Tiananmen, Maio de 1989.

Passei os 10 dias seguintes na Praça. Quando penso nisso, tive a sorte de estar lá no momento certo - não tinha ideia de que as manifestações iriam recomeçar. No início, era um dos poucos fotógrafos ocidentais presentes. Todavia, dois dias depois da minha chegada, a atmosfera mudou: Gorbachev chegou a Pequim para uma visita oficial e com ele imprensa de todo o Mundo.

Vi em primeira mão como jornalistas chegaram à Praça com as suas câmaras, escadotes e walkie-talkies. Cada fotógrafo desembarcou com o seu próprio exército de repórteres e fixers locais. Não gostei da forma como alguns desses outros profissionais se comportaram. Foi a grande era do fotojornalismo, quando os repórteres saltavam para um avião assim que um conflito eclodia, passando de um para outro, muitas vezes sem muita compreensão do que realmente estava a acontecer.

Como resultado, alguns deles agiram mal, tirando fotos dos jovens sem realmente falarem com eles para obterem as suas opiniões. Ainda assim, os estudantes foram incrivelmente receptivos - olharam para aqueles representantes da imprensa livre como heróis.

1552486453735-NN11461465
O segundo dia das greves de fome. Maio, 1989.

A atmosfera na Praça era uma mistura incomum de alegria e tensão, oscilando constantemente entre os dois. Foi lindo ver jovens a inventarem novas formas de resistência diante dos nossos olhos. Algumas pessoas desenvolveram pequenos workshops nos cantos da Praça, enquanto outras formaram sindicatos e fizeram cartazes. Os estudantes aprenderam rapidamente a organizar-se - muitos daqueles que ali se deslocaram para protestar acabaram por conquistar posições de autoridade, fazendo discursos para milhares de pessoas.

Apesar de toda esta acção positiva, os manifestantes estavam em constante estado de preocupação. Eram constantes os rumores sobre tanques a circularem pela cidade, especialmente à noite. No decurso dos meus 10 dias e noites na Praça, essa tensão foi gradualmente corroendo a alegria, acabando por dar lugar à paranóia, que acabou por ser justificada à luz da terrível repressão que se seguiu.

1552482387051-PAR88842
Uma equipa de filmagens capta a acção na Praça de Tiananmen. Maio, 1989.

Saí da praça no dia 23 de Maio, três dias depois de declarada a lei marcial e 10 dias antes do início da repressão. Mostrar estas fotos 30 anos depois é uma forma de recordar a coragem, a imprudência, a esperança meio louca e a liberdade que existiam antes da repressão.

Abaixo podes ver mais fotos de Patrick Zachamann.

1552482512561-PAR361808
Estudantes a dormir na Praça.
1557236080432-int
Wu’er Kaixi, líder da "Primavera de Pequim", a ser entrevista numa tenda. Debilitado pela greve de fome, respira com ajuda de uma máscara de oxigénio.
1552482600434-PAR47485
Uma multidão protege os estudantes, bloqueando o exército e impedindo os militares de chegarem à Praça.
1552482622142-PAR366364

1552482662686-PAR362935
Manhã em Tiananmen.
1552482707619-PAR88892
Um manifestante embrulhado numa bandeira.
1552482744459-PAR363738

1552482931587-PAR361256
Conferência de imprensa em frente ao Museu Militar da Revolução Popular Chinesa.
1552482771160-PAR88880
Soldados juntam-se aos estudantes e marcham em direcção à Praça de Tiananmen em sinal de solidariedade.
1552485373462-PAR88822


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.