Publicidade
Cultura

Lars von Trier pode estar em maus lençóis depois da exibição de uma versão extra violenta do seu novo filme

A Motion Picture Association of America não está contente.

Por River Donaghey
30 Novembro 2018, 3:38pm

Screenshot via trailer

Este artigo foi originalmente publicado na VICE US.

O mais recente e hiper violento filme de Lars von Trier, The House that Jack Built, causou uma agitação massiva quando estreou em Cannes em Maio último [Nota do editor: a recente estreia em Portugal, no âmbito do Lisbon & Sintra Film Fest, também não foi pacífica e a obra dividiu opiniões]. A coisa é tão brutal e tão cheia de cenas gráficas de mutilação e assassinatos de crianças, que na meca dos festivais de cinema cerca de 100 pessoas abandonaram a sala a meio. Agora, parece que chegou a vez de a Motion Picture Association of America (MPAA) se ter passado.

De acordo com o Hollywood Reporter, a Associação norte-americana ameaçou com sanções à IFC Films, depois de o estúdio ter organizado uma sessão única de exibição de uma versão director's cut, sem classificação etária, na última quarta-feira, 28 de Novembro.

No entanto, ao que parece, a MPAA não está chateada que o filme (sobre um serial killer sádico, interpretado por Matt Dillon) seja, basicamente, "duas horas e meia de porno de tortura auto-referencial”. A entidade está furiosa, sim, que a IFC Films tenha exibido a versão não classificada do novo filme de von Trier, tão perto da data de estreia nos cinemas da versão "R-rated", apontada para Dezembro. Pelos vistos, isso vai contra as regras.

"A MPAA comunicou à distribuidora, IFC Films, que a exibição de uma versão não classificada do filme tão próximo do lançamento da versão classificada - e sem a obtenção de uma licença específica - é uma violação das regras do sistema de classificação", afirma a entidade, de acodo com o THR. E acrescenta: "O não cumprimento das regras pode criar confusão nos pais e minar o sistema de classificação - e pode levar a sanções contra os incumpridores".

Basicamente, a MPAA está preocupada que quem foi a esta sessão tenha pensado que iria ver a versão classificada de um filme brutal e sangrento e tenha acabado por comprar bilhete por engano para a sangrenta e ainda mais brutal versão não classificada. A Associação parece ainda particularmente preocupada com os pais que também possam ter cometido o equívoco, mas... bem, não é claro quantas pessoas estariam mesmo a planear levar os seus filhotes a ver Matt Dillon a cortar às postas o peito de uma mulher em The House that Jack Built.

A IFC terá agora que agendar uma audiência para tentar resolver esta confusão. Dependendo do resultado, a MPAA pode revogar a classificação "R" da obra, ou aplicar uma pena de 90 dias de suspensão à distribuidora, impedindo-a assim de submeter filmes ao sistema de classificação nesse período. Por agora, a versão classificada da longa metragem tem estreia marcada para 14 de Dezembro nos cinemas norte-americanos [3 de Janeiro de 2019 em Portugal]. boas notícias para todos aqueles pais impacientes por darem cabo da cabeça dos filhos para o resto da vida.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.

Tagged:
Culture
violencia
IFC
Lars von Trier
Cultura
Noticias
Filmes
Sociedade
MPAA
ratings
actualidade
Destaques
the house that jack built
unrated
ifc films
classificação de filmes