venezuela

Líder da oposição venezuelana reivindica apoio militar para derrubar Maduro. Golpe de Estado está em curso

Juan Guaidó postou um vídeo no Twitter em que afirma que está em curso a "fase final" daquilo a que chama de "Operação Liberdade".
Venezuelan opposition leader Juan Guaido, flanked by heavily armed soldiers, took to the streets Tuesday to call for nonviolent protests and a military-led ouster of Venezuelan president Nicolas Maduro.
O líder da oposição venezuelana e auto proclamado presidente, Juan Guaido, fala com um oficial do Exército na base aérea de La Carlota em Caracas, Venezuela, terça-feira, 30 de Abril de 2019. Guaido saiu às ruas com um pequeno contingente de soldados armados e o activista Leopoldo Lopez, pedindo uma revolta militar. (Foto AP / Boris Vergara) 

Este artigo foi originalmente publicado na nossa plataforma VICE News. Esta é uma história em desenvolvimento e será actualizada sempre que se justificar.

O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, acompanhado por um pequeno grupo de soldados fortemente armados, tomou as ruas Caracas na manhã (início da tarde em Portugal) de terça-feira, 30 de Abril, para pedir protestos não-violentos e a saída do presidente do país, Nicolas Maduro, por via militar.

Publicidade

Do lado de fora de uma base militar na zona leste de Caracas, Guaidó postou um vídeo no Twitter em que afirma que as suas acções marcam a "fase final" do que chama de "Operação Liberdade", para libertar o país do governo de Maduro. Disse ainda que Maduro já não tem o controlo das forças militares da Venezuela, embora não seja claro quanto apoio Guaidó tem. O governo de Maduro, por sua vez, assegura que a maioria das forças ainda apoia o presidente. "As forças armadas estão claramente do lado do povo", assegura Guaidó no vídeo, enquanto gesticula para os homens armados que estão atrás de si.

Com a intensificação das tensões na Venezuela, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, expressou apoio à tentativa de Guaidó de tomar o poder. "Hoje, o presidente interino Juan Guaidó anunciou o início da Operación Libertad", Pompeo twittou. "O governo dos EUA apoia plenamente o povo venezuelano na sua procura pela liberdade e democracia".

Grande parte dos acontecimentos parecem estar a ocorrer no reduto da oposição no leste de Caracas, onde os partidários de Guaidó responderam ao seu apelo para sair às ruas. Gás lacrimogéneo e tiros foram supostamente disparados do lado de fora da base militar de La Carlota, embora não seja claro onde tiveram origem, de acordo com a CNN. Supostamente, Guaidó está ainda junto à base.

Todavia, neste momento está longe de ser claro se esta iniciativa de Guaidó - a que a imprensa mundial se está a referir como "tentativa de Golpe de Estado" - terá o amplo apoio militar de que necessita para retirar o poder a Maduro. Jorge Rodríguez, ministro da Informação de Maduro, publicou no Twitter

Publicidade

que o governo estava a “confrontar e a desactivar um pequeno grupo de traidores militares” que tentavam promover um golpe. Os apoiantes leais ao governo de Maduro pediram já que a constituição do Estado fosse mantida e denunciaram o apoio internacional que Guaidó está a receber, enquanto insistem que a maioria das forças militares do país ainda apoiam o governo de Maduro.

O grupo de monitorização da Internet NetBlocks informou entretanto que o acesso a grandes plataformas, como YouTube, Bing, Google e serviços Android, está a ser actualmente "restrito" na Venezuela.


Segue a VICE Portugal no Facebook, no Twitter e no Instagram.

Vê mais vídeos, documentários e reportagens em VICE VÍDEO.