Um histórico da menosprezada carreira de Usain Bolt como DJ

Aproveitamos o recente marco de homem mais rápido de todos os tempos de Bolt para embarcar numa retrospectiva de sua carreira com as pistas sonoras, na cabine de DJ, mandando AKELA.
17.8.16
Photo via Pinterest.

Matéria originalmente publicada no THUMP US.

Na noite do último domingo (14), no Rio de Janeiro, o velocista Usain Bolt fez história quando se tornou a primeira pessoa a vencer a prova de 100 metros em três Olimpíadas consecutivas. Desde então, o mundo tem passado por um pico da Boltmania, com o sorriso do atleta durante a corrida se transformando em tema de incontáveis memes. Enquanto publicações diversas aproveitam a oportunidade para mergulhar a fundo nas inumeráveis glórias atléticas de Bolt, algumas deixam passar em branco outra parte importante de seu mítico legado — o cara ama com força ser DJ, e está nessa há muitos anos.

O THUMP, sendo uma publicação devotada aos muitos reinos da dance music e da cultura DJzística, está aproveitando o recente marco de Bolt para embarcar numa retrospectiva da vida de Bolt não nas pistas, mas na cabine de DJ, mandando AKELA. Fique conosco enquanto corremos por alguns dos pontos altos de sua carreira como DJ ao longo dos anos.

O Início: 2010-2011

As primeiras evidências em vídeo das mixagens de Bolt são de 2010, em Paris, dois anos antes dos Jogos Olímpicos de Verão em Londres, onde ele ganharia a medalha de ouro nos 100 metros rasos mais uma vez (depois da medalha ganha nos jogos de 2008, em Pequim), com um novo tempo de 9,63 segundos. O jamaicano se instalou num evento patrocinado pela Puma, com temática jamaicana, chamado "Paris City Hall", numa quente noite de verão, em julho, no Hotel de Ville. Mantendo-se fiel ao legado musical de sua terra pátria, Bolt mandou um set focado no reggae, passando por clássicos da consciência social como "Iron Lion Zion" (que logo se tornaria presença garantida em seus sets), de Bob Marley, e "Putting Up Resistance", de Beres Hammond, o mito do lovers rock.

Transformando-se velozmente num herói para os jovens do mundo todo, depois de seu set em Paris, Bolt participou de um vídeo promocional chamado Usain Bolt's DJ Challenge, para os Jogos Olímpicos da Juventude de Cingapura em 2010, onde pode ser visto mexendo com alguns CDJs em meio a um pano de fundo engraçado. "Adoro ser DJ. Adoro Música. Qual é a playlist dos seus sonhos?", Bolt pergunta ao espectador.

Clique na imagem acima para acessar o vídeo.

A Era de Ouro: 2011-2012

Em 2011, Bolt já se firmara como um dos melhores velocistas de todos os tempos, e estava se dedicando a correr em alguns campeonatos secundários antes do início dos Jogos de Verão de 2012, em Londres. Em junho de 2012, ele superou um início ruim nos Jogos Bislett, em Oslo, vindo de trás para vencer a corrida dos 100 metros, à frente de seu compatriota Asafa Powell. Embora grande parte do alarde feito por ocasião de sua vitória tenha se concentrado na crítica feita por ele aos novos blocos de partida usados na corrida, muitos deixaram passar em branco o impressionante set feito por ele numa afterparty depois da vitória, ainda na cidade. No vídeo acima, Bolt recorre novamente a um peso-pesado de seu arsenal de DJ: "Iron Lion Zion" — dessa vez na forma de uma versão com grande presença de graves, que fez o público balançar em perfeita comunhão. Bolt chega até mesmo a pegar o microfone para dar uma de MC, quando volta a faixa para ser tocada novamente.

Também em 2012, Steve Porter, produtor e DJ de Amherst, Massachusetts, um homem cujas faixas muitas vezes incluíram colaborações com atletas famosos, colocou Bolt como tema do vídeo oficial de uma faixa de house chamada "Faster Than Lightning". O vídeo inclui vários trechos das corridas icônicas de Bolt, além de mensagens inspiradoras de e para seus muitos fãs.

Bolt encontra a EDM: 2012-2013

Como qualquer DJ, Bolt já experimentou com alguns sons que algumas pessoas talvez considerem de segunda categoria. Depois de mais umrecorde mundial na Diamond League de Roma, em fins de maio, Bolt foi à histórica Piazza Di Spagna para uma festa de rua improvisada, e, entre o que suspeitamos terem sido mais do que algumas faixas imensas, ele soltou o musicão de boate "Cascade", de Tommy Trash, para uma gigantesca multidão de espectadores, que ficaram todos meio sem entender.

O Astro Volta Para Casa: 2013-2014

No ano de 2013, começou a vazar a notícia das habilidades de Bolt na cabine de DJ, com publicações de música como a FACT cobrindo o set que ele tocou como convidado na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Verão de Londres (não há evidência em vídeo da apresentação, e por isso ela não consta dessa lista), ao lado do Fatboy Slim. Após os jogos de verão, onde ele mais uma vez levou o ouro e destruiu recordes, Bolt voltou para a Jamaica e fez uma apresentação como convidado no Club Privilege, de Kingston. Perto da marca de 7:45 no vídeo, Bolt entra correndo velozmente na cabine às 4:09 da manhã, pegando o microfone e animando a galera, antes, é claro, de chegar em alguns toca-discos Serato não só para mixar, mas para riscar também. O que mais pode ser dito? Assista abaixo.

???: 2016—_

_

Agora, em 2016, Bolt solidificou sua posição não só de homem mais rápido do mundo, como também de homem mais rápido que já existiu. Junto de suas incontáveis glórias nas pistas, os últimos seis anos, mais ou menos, também apresentaram ao mundo não só Usain Bolt, o intocável deus da velocidade, mas também um cara normal, que é apaixonado por música e gosta de ser DJ quando não está correndo. Embora Bolt nas pistas seja, sem dúvida, uma grande força a ser enfrentada, pode-se dizer que ele não leva tão a sério sua carreira como DJ – é mais pela diversão, pela música, e pela zuera. Bolt não promove esse aspecto da sua vida como fazem muitos atletas e atores que viram DJs, e não chega sequer a anunciar os sets que toca, deixando-os acontecer na-tu-ral-mente.

Após essa, que ele disse ser sua última participação olímpica, agora é tempo de nos perguntarmos: o que o futuro guarda para Usain Bolt, o DJ? Será que finalmente chegou a hora de ele se aboletar e levar a sério a atividade? E, o mais importante, quando a poeira baixar, será que ele concluirá sua épica estada no Rio com um set fodão, de deixar a galera em chamas, em algum canto da cidade?

Tradução: Marcio Stockler

Siga o THUMP nas redes Facebook // Soundcloud // Twitter.